sábado, 18 de outubro de 2008

Envelhecer é uma dádiva

Cada dia que me olho no espelho, vejo as marcas impressas pelo tempo. Naquele exato momento, parece que o tempo tenta me dizer:
- "Passei aqui, para te lembrar que existo. Lembre-se que nada dura para sempre".
Refletindo sobre tal afirmação, agradeço ao meu bom Deus por mais um dia de vida conquistado, desfrutado e guardado no baú de minhas lembranças.
Vejo o tempo como um aliado e não um inimigo. Deixe-me explicar.
O tempo na minha visão é o anfitrião no teatro da vida que nos beneficia com a beleza da jovialidade e depois permuta pela dádiva da velhice. Para muitos, essa permuta é vista como injusta e cruel, razão pela qual indústria de cosméticos e moda incentivam e alimentam essa idéia, através das novelas e filmes divulgando um estereótipo de beleza a ser consumido. Fazendo uma analogia podemos nos referir a beleza como a embalagem de um produto e a sabedoria como o conteúdo. É comum as pessoas se interessarem por produtos que oferecem embalagens mais atrativas, sem levar em conta que o mais importante é o conteúdo. O tempo revela que da vida levaremos a sabedoria e não a beleza, ele nos ensina através das rugas, cabelos grisalhos entre tantas outras marcas estampadas em nosso corpo, que a beleza é passageira e que se não soubermos aproveitá-la enquanto a temos, no futuro será mais impossível.
O leitor então deve estar se questionando:
O tempo tenta nos mostrar o quê, oferecendo a jovialidade e depois nos permutando com a velhice?
O ser humano ao ser concebido no mundo chega frágil, vulnerável e ingênuo. Eis que o tempo lhe entrega então, o benefício da jovialidade para que através dele possa percorrer o caminho de sua vida com maior segurança. O tempo mostra que a maturidade e a sabedoria não são conquistadas de um dia para outro. Para se conquistar, muitas etapas deverão ser cumpridas, muitos tropeços ocorrerão, muitos obstáculos terão que ser desviados e muitos desafios e perdas terão que ser superados. Se o jovem viesse para o mundo já com a maturidade e a sabedoria, essas etapas não precisariam ser enfrentadas, pois , ele ja estaria evoluído suficientemente para lidar com elas.
Acredito que viemos para o mundo com uma missão, somos servos de Deus e precisamos além de servir ao próximo, precisamos servir primeiramente a nós mesmos. Ajudar a si próprio é no sentido de evoluir espiritualmente a cada etapa de vida que passamos. É ter mais saúde que outros enfermos e poder ajudar eles sem intenção de recompensa, é ser solidário, companheiro e amigo de corpo e alma, é disseminar o amor e valorizar a vida, é saber semear o encanto de ter uma família e saber valorizá-la. Isso sim pra mim é evolução.
Quando se alcança a velhice, o ser humano após tantas etapas da vida chega calejado e preparado para lidar com a sabedoria, pois já está evoluído sustentavelmente, a ponto de ver o mundo com outros olhos. Possui o discernimento do que é bom do que é mal, tem o tempo como companheiro para refletir sobre seu passado e seu presente, o futuro já não o preocupa tanto, pois sabe que na vida tudo tem seu fim. E que o fim, na verdade é um novo começo em outra esfera do universo espiritual a ser evoluída.
(Gunther dos Santos)

2 comentários:

Vanessa disse...

Muito bom!!!

ju kalid disse...

Ao começar a ler seu texto, não consegui deixar de pensar neste trecho de Cecília Meirelles. A última frase sempre me vem à cabeça quando penso no "tempo":

"Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
Em que espelho ficou perdida a minha face?"